ESPONTANEO

por Enrique Tábara

Novembro 28, 2020 - Março 28, 2021

enrique_t_bn.jpg

"Estoy muy contento que la vida me ha llevado otra vez a Miami, y que la tecnologia nos pueda llevar hacer una exposición de esta forma."

Luis Enrique Tábara

Enrique Tábara nasceu em 1930 em Guayaquil, Equador. Tábara estudou pintura na Escola de Belas Artes de sua cidade natal, e começou a pintar composições abstratas em 1954. Ainda jovem pintor, foi influenciado pelo movimento construtivista (fundado pelo artista russo Vladimir Tatlin em 1913), do qual aprendeu através da obra do pintor uruguaio Joaquín Torres García e do pintor equatoriano Manuel Rendón. Com o auxílio de uma bolsa da Casa da Cultura do Equador no ano seguinte, muda-se para Barcelona, ​​onde estuda na Escola de Belas Artes e participa da Bienal Hispano-Americana da cidade (1955). Ele foi influenciado pelo informalismo espanhol, do qual derivou pesados ​​impastos e texturas, aplicando-os a um repertório de temas inspirados na pré-conquista: tradições indígenas equatorianas, incluindo cascavéis, espelhos, penas, hieróglifos, pirâmides e outros motivos. Durante seus anos em Barcelona, ​​seu círculo de amigos incluiu artistas como André Breton e Joan Miró. Ele também estava ligado aos membros do movimento espanhol do pós-guerra chamado Dau al Set, que incluía Antoni Tapiés e Manolo Millares. Como os surrealistas e dadaístas, a obra dos artistas Dau al Set dialogou com a mente humana consciente e inconsciente. Retornando ao Equador em 1964, Tábara fundou o VAN, movimento de artistas equatorianos contra a arte figurativa indigenista (1968). No início dos anos 1970, ele mudou para uma nova figuração, muitas vezes representando membros humanos em suas telas. É medalha de ouro no I Salão de Desenho, Aquarela e Têmpera da Casa da Cultura de Quito (1970). Ao longo de sua carreira, seu trabalho foi exibido no Museu Rufino Tamayo na Cidade do México, no Museu de Arte Moderna de Paris e no Museu de Arte Moderna de Bogotá. Ele recebeu muitos prêmios de prestígio, incluindo o Prêmio Suíço de Pintura Abstrata em 1960 e o Pincel de Ouro do Equador em 1999.

tabaraMU1.jpg